Blog

Desaprendizagem executiva: a importância de desconstruir conceitos que bloqueiam o crescimento

Postado em 3 de julho de 2020 por JValério

 

Todo mundo fala sobre o “novo normal”, mas o que é preciso para se adaptar às mudanças socioeconômicas e estar pronto para o cenário pós-pandemia? Segundo a professora da Fundação Dom Cabral, Erlana Castro, a resposta é justamente “aprender a desaprender”. De acordo com ela, estamos em um momento de incertezas e isso demanda que deixemos de lado atitudes não adaptativas e de resistência ao aprendizado contínuo, como o automatismo e modelos fixos de pensamento. O tema foi discutido durante o Comitê Online de Presidentes e Dirigentes Empresariais JValério FDC, com o título “Desaprendizagem executiva: uma discussão divertida repleta de reflexões importantes e urgentes!”. A professora convidada, Erlana Castro, é especialista  nas áreas de empreendedorismo, inovação e estratégia criativa, além de ser facilitadora de modelagem de negócios e pesquisadora de tendências de comportamento.

 

É preciso “aprender a desaprender” que marcas são entidades inanimadas.

 

Erlana afirma que vivemos a era da Economia dos Talentos, na qual existe uma multidão de pessoas capacitadas para diferentes funções sem que seja necessário que elas estejam no mesmo espaço físico da empresa. “O mundo ficou pequeno, não preciso contratar um designer daqui, posso contratar um da Noruega”, exemplifica. Isso acontece porque a internet rompeu as barreiras físicas para a produção intelectual, portanto, exige que “desaprendamos” a ideia de que existe uma separação entre o mundo online e offline.

 

mundo-vuca-fundacao-dom-cabral

 

Mundo VUCA

Para descrever o cenário de transformação em que estamos vivendo e a importância de “aprender a desaprender”, Erlana Castro, usa o conceito de mundo VUCA – sigla que deriva das palavras em inglês volatile (volátil), uncertain (incerto), complex (complexo) e ambiguous (ambíguo)- e ajuda a explicar períodos críticos e marcantes. O conceito tem ganhou espaço no ambiente corporativo por também traduzir as mudanças pelas quais empresas e lideranças estão passando.

volatile

Representa um momento de mudanças muito rápidas, em que a única coisa que não muda é o propósito da empresa.

uncertain

Mostra a alta instabilidade atual, na qual não há previsibilidade sobre qualquer cenário, por isso, o ideal é minimizar riscos apoiando-se em dados, além de entender o perfil e as novas demandas dos clientes.

complex

Aponta que é necessário desenvolver uma mentalidade ágil para lidar com a complexidade crescente.

ambiguous

Denota as muitas possibilidades geradas com o novo cenário do mercado. Também indica que compreender a abertura ao novo é fundamental para fazer o negócio ter sucesso.

Volatile: representa um momento de mudanças muito rápidas, em que a única coisa que não muda é o propósito da empresa.

Uncertain: mostra a alta instabilidade atual, na qual não há previsibilidade sobre qualquer cenário, por isso, o ideal é minimizar riscos apoiando-se em dados, além de entender o perfil e as novas demandas dos clientes.

Complex: aponta que é necessário desenvolver uma mentalidade ágil para lidar com a complexidade crescente.

Ambiguous: denota as muitas possibilidades geradas com o novo cenário do mercado. Também indica que compreender a abertura ao novo é fundamental para fazer o negócio ter sucesso.

Contexto é tudo

É muito importante buscar informações confiáveis para entender o contexto em que estamos inseridos, pois isso vai influenciar o sucesso na tomada de decisões. Basear-se em dados e análises é fundamental para desenvolver novas estratégias. Erlana lembra que as transformações tecnológicas e seus impactos no mundo do trabalho e nas experiências individuais também devem estar no radar das empresas. Já vimos aqui no blog da JValério que as empresas precisam buscar a excelência digital, entendendo o universo tecnológico e dominando suas ferramentas.

Outro ponto destacado pela professora, é que a vivência durante o período de isolamento está transformando as pessoas, fazendo com que elas repensem suas prioridades e necessidades. Assim, as marcas que não entenderem o papel que elas exercem na vida de seus clientes, deixarão de entregar valor. É preciso “aprender a desaprender” que marcas são entidades inanimadas. Na verdade, elas são representações do propósito e dos desejos humanos. O que você quer entregar para o seu consumidor? A professora da FDC conclui afirmando que a transformação já está em curso e sua velocidade depende do nosso mindset, ou seja, a forma como organizamos nosso pensamento e lidamos com as situações do cotidiano.

Busque informação relevante para a retomada dos negócios. Para participar e conhecer o Comitê Online de Presidentes e Dirigentes Empresariais, faça sua inscrição pelo link https://bit.ly/cmtvrtalFDC ou ente em contato pelo telefone (41) 99288-0587 ou ainda pelo email contato@jvalerio.com.br. Clique aqui e conheça outras soluções desenvolvidas pela JValério FDC.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvido por Desenvolvido por The Way Comunicação
Quer saber mais?
Clique aqui para entrar em contato