Blog

VOCÊ SABIA QUE AS EMPRESAS FAMILIARES SÃO MAIS LUCRATIVAS E LONGEVAS?

Postado em 18 de maio de 2018 por JValério
EMPRESAS FAMILIARES SÃO MAIS LUCRATIVAS E LONGEVAS

Por Fundação Dom Cabral

A definição da ideia de “empresa familiar” encontra variadas interpretações na literatura acadêmica. Há, entretanto, consenso que a empresa familiar é aquela que envolve em torno de um núcleo familiar (ou, de forma mais complexa, de vários núcleos familiares) que influencia a direção dos negócios por meio do exercício de laços de parentesco, papéis de gerenciamento ou direito de propriedade.

De acordo com a PwC, um negócio familiar consiste em:

  1. Ter ao menos um representante da família formalmente envolvido na governança da empresa.
  2. Se a empresa for listada, a família possuir pelo menos 25% dos direitos de decisão devido à sua participação de capital.
  3. A fatia de capital controlada pela família está na segunda geração ou nas seguintes.

Dado este contexto, talvez não seja novidade, que as empresas familiares constituem-se na grande força motriz da economia global. No Brasil há empresas familiares de todos os portes, responsáveis por 41% do total de 27 milhões de empregos formais e 20% do PIB.

Segundo dados do SEBRAE (2012), no Brasil, de cada 100 empresas familiares, somente 30% chegam à segunda geração e 5% à terceira. Aquelas que persistem, muitas vezes veem seu valor diminuir significativamente como resultado de processos sucessórios mal geridos. As empresas familiares mais bem-sucedidas são aquelas que conseguem manter o equilíbrio entre a gestão profissional, a propriedade responsável e uma dinâmica familiar saudável.

Também não é novidade, que dada estrutura peculiar das empresas familiares, são também características destes negócio ao longo da sua trajetória alguns aspectos considerados obstáculos; entre eles, destacam-se:

(1) os possíveis conflitos de interesses entre membros da família; (2) as disputas de poder entre membros que exercem função na gestão do negócio e aqueles que não fazem parte do cotidiano da empresa; (3) divergências quanto a capacidades e aptidões individuais, de membros da família, para o exercício de funções no negócio; (4) conflitos com sócios, gestores e colaboradores não membros da família controladora; (5) divergências sobre as questões e definições financeiras do negócio, muitas vezes causadas pela mistura das finanças do negócio com interesses e finanças da família; (6) dúvidas e dificuldades no planejamento sucessório, incluindo o desafio de escolher os sucessores certos e iniciar o processo no momento oportuno; (7) questões sucessórias relativas ao patrimônio da família e que envolvem a sucessão do negócio; (8) educação e desenvolvimento dos herdeiros para eventual participação no negócio.

Estas questões podem ser agrupadas nas seguintes categorias de estudo:

1.Governança: da empresa e da família 2.Gestão: da empresa e do patrimônio 3.Sucessão: da empresa e do patrimônio 4.Comportamental: desenvolvimento de lideranças e gestão de conflito.

O que talvez seja novidade é que:

  1. Empresas familiares performam melhor do que as demais – desde que sobrevivam. Apenas um terço dessas empresas continua na geração seguinte, seja ela qual for.
  2. Apenas 10% dessa mortalidade é causada por questões do negócio. O verdadeiro problema está na infinidade de temas complexos acrescentados pela mistura de família com negócios.

 

OLIVEIRA, Antonio Carlos (2017) Empresa Familiar – sua importância econômica e social. Revista Ideia,160; v. 8, n. 1.

FERNÁNDEZ-ARÁOZ, C.; IQBAL, S.; RITTER, J.. Leadership Lessons from Great Family Businesses. Harvard Business Review. April 2015, Vol. 93 Issue 4, p82-88.

 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvido por Desenvolvido por The Way Comunicação
Quer saber mais?
Clique aqui para entrar em contato